Lee

Lee

Lee

Lee é um artista, mas consegue ser tão sonhador quanto pé-no-chão.

Não é rico, mas tem coragem e determinação de sobra. Nem sempre é honesto – consigo mesmo ou com outros – mas se entrega com facilidade… mesmo que na situação errada ou pra alguém que não merece.

Anúncios

Anne

Anne

Anne tem um senso peculiar de justiça, de certo, e de errado.

Perdida e inconstante, está sempre buscando seu lugar no mundo… ainda que erre, perca empregos, e sofra de amores no processo.

Lunapétala Brancave

Lunapétala

Os Brancave são uma família de elfos noturnos reconhecidos pelas habilidades como ladinos, ainda que possam assumir outras vocações para auxiliá-los em missões de infiltração e espionagem. A matriarca Floragris guia a família com firmeza, e sempre cita a morte do marido como exemplo a ser seguido:

“Morrer, talvez; comprometer o sucesso da missão, jamais”.

Esse pensamento é um dos lemas dos Brancave, e torna-os fervorosos servos da Aliança sob as ordens da AVIN.

Lunapétala é uma elfa noturna muito parecida com Floragris: a mesma pele de azul bem claro, os mesmos cabelos longos e prateados, os mesmos lábios cheios e sérios mesmo durante um sorriso. Não havia dúvidas de que as duas eram mãe e filha.

No entanto, a missão de entrada de Lunapétala na AVIN deu errado. Além de alertar a Horda para presenças hostis na Cordilheira das Torres de Pedra – o que causou um massacre dos membros da Aliança no local – ela também perdeu a visão no olho direito e grande parte dos movimentos do braço direito.

O grave fracasso na missão acabou por revelar a verdade: ela nunca foi uma Brancave, e sim foi incorporada à família quando ainda era um bebê para que pudesse receber o treinamento necessário para que a tradição da família fosse mantida.

Expulsa do que antes considerava seu lar, Lunapétala tingiu o cabelo a fim de não mais se lembrar de seu passado como Brancave.

Cortou todos os laços com sua vida anterior e mudou-se para a Floresta do Crepúsculo, onde treina arduamente para recobrar parte dos movimentos do braço e para acostumar-se a calcular profundidade com a visão limitada.

Atualmente reside em Monte Corvo e atende clientes – normalmente interessados em assassinatos que não possam ser traçados de volta à AVIN – pelo nome de Corvo.

Lunapétala, o Corvo

Lunapétala, o Corvo